Reading Time: 4 minutes

"Você não pode pular direto para o final, a jornada é a melhor parte."  – Robin Scherbatsky (How I Met Your Mother)

Eu sou muito fã de um seriado chamado "How I Met Your Mother".  Gosto muito dele, porque, na minha visão de mundo, esse é um seriado que não tem limite entre ficção e realidade. Ele é simplesmente o que  vida é:  imprevisível.

Se você já assistiu esse seriado, você entende do que eu estou falando. Se ainda não, dá uma olhada na Netflix, todas as temporadas estão por lá! No seriado, Ted Mosby, o personagem principal, conta aos seus filhos - no futuro - como ele conheceu a mãe deles. A jornada é longa, mas muito divertida, principalmente porque Ted tem amigos incríveis: Lily, Marshall, Barney e Robin.

Te antecipo que o final é bastante polêmico. Eu mesma tive dificuldades em aceitá-lo. Mas quando me lembro que ali é mais realidade do que ficção mesmo, eu percebo o sentido que faz. A vida é imprevisível... O seriado também. Logo quando eu assisti o último episódio, eu fiquei bem decepcionada. Eu criei expectativas para aquele fim. Eu visualizei um final que era previsto por muitos, que, assim como eu,  esqueceram de adicionar a imprevisibilidade na equação.

E o fim me chamou tanta a atenção que eu decidi assistir o seriado novamente e é isso que estou fazendo nos últimos meses. Estou vendo com mais atenção a jornada. Quando assisti pela primeira vez, eu passei o seriado todo querendo descobrir de fato quem era a mãe e como ela conhecia o Ted. Eu queria chegar logo ao final. E tanto foi, que perdi alguns lances das outras temporadas. Tem algumas cenas que olho hoje e me questiono: Como não percebi isso antes?

Nisso tudo, eu me lembrei da minha jornada na Universidade e como eu desejei que ela acabasse logo...

Meus textos aqui são prova do quanto eu desejei sair da UFBA. Tem uma hora que você pensa que não vai aguentar mais. Só que, acredite, você é forte suficiente para aguentar. E é por isso que eu te digo: "Por mais doloroso que seja, pare de desejar o fim..."

Ter saído da UFBA foi e está sendo maravilhoso para mim. Eu me sinto bem aliviada. Mas, quando vejo esse seriado e percebo o tanto de coisa que tinha perdido antes, eu fico imaginando o quando eu também perdi na Universidade por simplesmente só focar em querer terminar logo essa fase da minha vida.

Agora já não vale nem mais a pena pensar sobre isso, mas reflito como forma de aprendizado. Talvez, perdi momentos, não conheci/cativei pessoas, simples e unicamente porque meu foco estava apenas no final. Eu negligenciei a jornada.

A gente passa por alguns momentos difíceis na vida e o que mais a gente deseja é que eles acabem logo. E ai também que está a fonte de mais sofrimento. Ao invés de viver, a gente foca em pensar em como acabar logo com essa fase ruim. Nisso, deixamos de viver momentos, perdemos a oportunidade de estar com pessoas especiais, porque a gente acredita que nosso foco tem que estar em resolver uma situação que, às vezes, nem está sob nosso controle.

"Por mais doloroso que seja, pare de desejar o fim..."

A gente não tem controle sobre tudo.

Às vezes, quanto mais a gente foca no que nos falta, a gente deixa de agradecer pelo o que a gente já tem.

Hoje já não vou mais para a UFBA, lugar que desejei arduamente sair. E sou muito grata por isso! Só que peguei toda essa experiência e transformei em um lembrete para mim pelo resto da vida:

Se a gente para para pensar, vamos perceber que, em todos os momentos, sempre haverá a oportunidade de apontar problemas, de perceber que está faltando algo. Então, se você só pensa nesses aspectos, nada nunca vai te fazer bem. Você sempre vai desejar o fim, acreditando que quando uma determinada fase acabar, tudo vai ser bom, do jeito que você deseja. O lance está em perceber que a vida não funciona assim. Não é uma questão de fatores externos. É uma questão sua com você mesmo.

"Por mais doloroso que seja, pare de desejar o fim..."

Só vivendo que a gente aprende e aproveita, mesmo quando as circunstâncias não são ideais.

Eu já sai da Universidade. Se você ainda está nessa fase e só tem reclamado, presta atenção nessas palavras. Espero que elas reverberem em você.

E mesmo para quem já saiu da Universidade, aqui também é um aprendizado muito valioso. Porque, se a gente vai a fundo, percebe que isso vale para o seriado que a gente está assistindo, mas também para nossa própria vida...

A mensagem principal deste texto eu tinha escrito como nota apenas para mim. Mas decidi  transformá-la em texto e publica-lo. Meu coração me disse que alguém, no mundo, precisa lê-lo.

"Por mais doloroso que seja, pare de desejar o fim..."

Aproveite a jornada.

Gratidão!

(pelos fins, pelos começos, pelo agora)


Você deseja saber lidar melhor com você mesmo e com suas emoções?
Você deseja manter relacionamentos mais saudáveis dentro e fora da Engenharia?

Adquira o livro "o que aprendi na engenharia"

Conheça o livro "o que aprendi na engenharia"! Porque Ser Engenheiro é saber lidar com números, mas também com pessoas e emoções.
Livro em formato digital, por apenas R$10,00:
Quero comprar meu livro agora!
The following two tabs change content below.
Ana Luisa Almeida
Aprendiz da vida e da engenharia. Idealizadora do Projeto "O que aprendi na Engenharia". Jovem Ponte, Engenheira Química formada pela UFBA, atuando como Engenheira Trainee na Kordsa Brasil. Nascida para espalhar sorrisos e gratidão ao redor do mundo, com o Coração sempre no ritmo #GoGoGo.
Ana Luisa Almeida

Latest posts by Ana Luisa Almeida (see all)

Comments

comments

Gostou desse texto?

Se você quiser receber mais textos como esse, cadastre seu email abaixo! 

Nosso conteúdo é gratuito e feito com muito amor!

Pronto! A partir de agora você estará sempre conectado(a) com nosso conteúdo! Gratidão!