Reading Time: 4 minutes

 

Me lembro como se fosse hoje. Final de 2010, cursava a terceira série do Ensino Médio. Foco total no vestibular para realizar um dos meus maiores sonhos: Estudar Engenharia Química na UFBA.

Deixei de participar da minha formatura de 3˚ ano porque vim passar 3 semanas em Salvador, para fazer revisão para a primeira fase do vestibular da UFBA (naquele tempo ainda não era o SiSu).

Eu já tinha tudo planejado.

Faria a prova do vestibular com 16 anos, ainda em 2010.

Em janeiro de 2011, completaria 17 anos. Nesse mesmo ano e com essa idade, começaria a Universidade.

Em 5 anos, completaria meu curso, ou seja, aos 21 anos.

Aos 22 anos recém completados, teria minha solenidade de formatura.

Teria um desempenho acadêmico de excelência que nem foi minha vida escolar. Notas acima de 8 que nem eu tinha nos ensinos fundamental e médio.

Assim que me tornasse Engenheira Química, faria concurso para Petrobras e seria feliz para sempre.

E acabou que quase nada saiu conforme o planejado.

Até fiz a prova do vestibular com 16 anos e aos 17 anos já estudava engenharia química na UFBA. Mas só até ai consegui prever meu futuro.

Eu não completei minha graduação em 5 anos. Foram 6  anos (em verdade, 5 e meio, se a UFBA não tivesse em entrado em greve de quase 6 meses em 2015).

Fiz intercâmbio de 1 ano. Jamais imaginaria isso.

Tive minha solenidade de formatura ao 22 anos, faltando 12 dias para completar 23.

Perdi em matérias e precisei abandonar algumas. Por não conseguir tirar notas tão excelentes logo no início da graduação, não aceitava isso e estive muito perto da depressão.

Me tornei Engenheira Química e não fiz concurso da Petrobras, porque nem mais concurso a Petrobras faz. E eu nem quero mais trabalhar lá.

Mas e ai?

Formei em Engenharia... E agora?

A minha solenidade aconteceu essa semana, mais precisamente no dia 9 de janeiro (sim, uma segunda feira haha).

E ,desde então, eu venho me perguntando:

Formei em Engenharia... E agora?

Dizem por ai que "mente vazia é oficina do Diabo" e, realmente, os últimos dias foram assim. Eu pensei muita coisa. Algumas não muito legais.

Foi estranho eu acordar e ter tempo para ir à praia, assistir séries, criar canal no youtube, gravar vídeo, criar meu bullet journal, fazer peça gráfica, ler.

A sensação que me deu é que eu estava cometendo alguns pecados. Comecei a pensar que se eu me formei em Engenharia, não era para eu estar "de boa", eu precisava já ter um emprego certo, carteira assinada, já começar a trabalhar, sair de manhã cedo, chegar em casa final da tarde e passar a noite se sentindo cansada.

Pensei muito coisa, até que, agora, eu abri esse editor de texto porque lembrei que ainda não tinha escrito nenhum texto para o blog em 2017. E começar a escrever, depois de ter tido tempo de fazer tudo isso que eu listei acima me fez perceber como eu estava olhando para a situação de uma forma extremamente equivocada.

Eu passei 5 anos da minha vida (vou excluir o ano do intercâmbio) acordando super cedo e conversando com minha irmã sobre como eu queria ter tempo para fazer o que eu gosto.

Eu passei 5 anos da minha vida esperando o dia que eu ia poder: ir à praia, assistir séries, criar canal no youtube, gravar vídeo, criar meu bullet journal, fazer peça gráfica, ler. 

E dá para crer que quando esse dia finalmente chegou eu comecei a achar que eu tava fazendo algo errado?

Dá para crer que quando esse dia finalmente chegou eu comecei a achar que eu fracassei?

Inacreditável...

Está gostando desse texto?

Está gostando desse texto?

Cadastre seu email abaixo e receba mais conteúdos como esse!

Deu tudo certo! Agora, você receberá nosso conteúdo exclusivo diretamente em seu e-mail!

Formei em Engenharia... E agora?

Agora, vou à praia, vou assistir séries, criar canal no youtube, gravar vídeo, criar meu bullet journal, fazer peça gráfica, ler. 

Agora, eu vou fazer tudo que eu queria fazer nos últimos 5 anos, mas disse "não, tenho que estudar/tenho aula/tenho que fazer trabalho/tenho que ir para o estágio".

Já ouço a sociedade sussurrando em meu ouvido:

"E o emprego?"

Querida sociedade, como deu para ver, a vida é pura imprevisibilidade. Eu vou me manter em ação, com meus objetivos traçados. Uma hora, no melhor tempo, o emprego chega.

Não vou me permitir viver a ansiedade. E esse é um desafio, confesso. Mas eu vou superá-lo.

Formei em Engenharia... E agora?

É hora do agora... É hora de vivê-lo.

Se você também é recém formado, deixa seu comentário, a gente tem muita ideia a trocar, muito a se ajudar. Se este texto te tocou, compartilhe com seus amigos (no topo do texto, há ícones para compartilhamento nas redes sociais).

Gratidão!

P.s.: Esse é o primeiro texto que escrevo aqui como Engenheira Química. A ficha ainda não caiu... Gratidão pela sua conexão até aqui. Minha missão só está começando... E vai ser um prazer dividi-la contigo! #gogogo


Você deseja saber lidar melhor com você mesmo e com suas emoções?
Você deseja manter relacionamentos mais saudáveis dentro e fora da Engenharia?

Adquira o livro "o que aprendi na engenharia"

Conheça o livro "o que aprendi na engenharia"! Porque Ser Engenheiro é saber lidar com números, mas também com pessoas e emoções.
Livro em formato digital, por apenas R$10,00:
Quero comprar meu livro agora!
The following two tabs change content below.
Ana Luisa Almeida
Aprendiz da vida e da engenharia. Idealizadora do Projeto "O que aprendi na Engenharia". Jovem Ponte, Engenheira Química formada pela UFBA, atuando como Engenheira Trainee na Kordsa Brasil. Nascida para espalhar sorrisos e gratidão ao redor do mundo, com o Coração sempre no ritmo #GoGoGo.

Comments

comments

Gostou desse texto?

Se você quiser receber mais textos como esse, cadastre seu email abaixo! 

Nosso conteúdo é gratuito e feito com muito amor!

Pronto! A partir de agora você estará sempre conectado(a) com nosso conteúdo! Gratidão!