Reading Time: 3 minutes

"Você nunca sabe a força que tem, até que a sua única alternativa é ser forte." - Johnny Depp

Ao final de 2015, eu deixei de ser blogger de uma startup paulista de apps para eventos, onde eu recebia R$50,00 por cada texto que eu escrevia, porque eu decidi que em 2016 eu dedicaria meu esforços (principalmente de escrita) em projetos próprios. Eu já tinha colocado em mente que eu ia começar um projeto virtual onde conectaria a Engenharia com o cuidado humano e conhecimentos de Desenvolvimento Pessoal.

Seguindo o desejo do meu coração, no dia 1˚ de janeiro de 2016, eu lancei uma publicação no medium.com, intitulada "o que aprendi na engenharia: muito mais do que limites e derivadas, lições de vida". No primeiro dia de 2016, publiquei meu primeiro texto nesse projeto:

Desamparo aprendido: um olhar da Psicologia sobre o que vivenciamos na graduação em Engenharia.

Dei o primeiro passo diante daquela que foi uma das maiores conquistas que tive nesse ano.

No segundo dia de janeiro, eu aprendi a lição que resumiria 2016:

"Ana, você precisa ser forte".

No segundo dia de 2016, eu perdi uma colega de sala. Não qualquer colega. Uma colega que sempre foi muito gentil e carinhosa, que estudava muito comigo (graças a ela, seu estímulo e companheirismo passei em uma matéria onde tirei 2 na  minha primeira prova e já consegui 9,8 na segunda avaliação).

Pois é, confesso que eu já comecei o ano querendo que ele acabasse. Mas a única alternativa que eu tinha era a de ser forte e me conectar com essa força que eu precisava ter em um momento tão triste e delicado.

Evito falar sobre a morte de Bruninha em meus textos, porque essa perda ainda mexe muito comigo, mas, hoje, compartilho com você que, a partir deste evento, minha vida mudou. O ano não foi fácil, mas, depois dessa perda, eu passei a relativizar muito mais as coisas e a agradecer, porque, nessa vida, tudo é muito rápido e se esvai que nem um vapor.

Em 2016, eu terminei a graduação em Engenharia Química. Aprendi a valorizar a "visão a longo prazo". E entendi, na prática, o significado da palavra "sacrifício". Compreendi a importância de você ser forte diante dos desafios que parecem impossíveis e inatingíveis. "Ana, você precisa ser forte." - Me lembrei constantemente disso, enquanto mantinha a rotina desgastante de emendar estágio com aulas, estudos ao finais de semana e por ai vai.

Em 2016, eu paguei um curso de quase R$1000,00 só para aprender como criar um site do zero, com domínio próprio e interagir melhor com meu público alvo. Eu criei um site do zero chamado oqueaprendinaengenharia.com, só para garantir que eu ia expandir esse projeto ainda mais. Mas não foi fácil conciliar esse negócio virtual com minha graduação e a minha vontade em finalizá-la ainda esse ano. E ai, mais uma vez, me re conectei com o aprendizado de 2016: "Ana, você precisa ser forte."

E fui. Consegui até escrever meu primeiro livro.

Meus textos foram parar em blogs de grande repercussão nacional e isso se repercutiu de uma forma que eu nunca imaginei. Pessoas de diferentes lugares do país começaram a me enviar inbox falando sobre como as minhas palavras tinham impactado a vida delas. Ai eu percebi o quanto valia a pena ser forte, dedicar horas, mesmo cansada, para escrever para o outro. 2016 me deu esse presente e eu sou muito grata.

Só que, repito: apesar das vitórias, o ano não foi fácil. Eu tive uma perda na minha família, nas mesmas circunstâncias que perdi meu avô (em um "acidente" de trânsito). Eu tive uma estafa tão grande que desenvolvi um abcesso no olho direito que precisei até fazer cirurgia e ouvir da minha médica oftalmologista: "Ana, a vida também é equilíbrio". Assim, mais uma vez, a vida me disse: Ana, você precisa ser forte."

2016 não foi fácil. Só que ele foi um ano importante, com muito a agradecer.

Em meio a perdas e algumas situações que fugiam do meu controle, eu encontrei as seguintes anotações, que fiz ainda em 2015:

(Escrever meu livro. Prazo: 12/2016 / Finalizar minha graduação. Prazo: 12/2016 / Ter modelo de negócio e site. Prazo: 07/2016)

Assim, eu percebi que 2016 foi difícil, mas foi importante. Metas se cumpriram.

Doeu? Sim, só que valeu a pena.

"Ana, você precisa ser forte."

Aprendi isso em 2016 e levarei esse aprendizado comigo. Porque é essencial lembrarmos sempre que:

"Você nunca sabe a força que tem, até que a sua única alternativa é ser forte." - Johnny Depp


E você, qual aprendizado resume o seu ano de 2016?

Que venha 2017. Que este ano traga muita luz e aprendizados ainda mais lindos. Que mais metas se cumpram!

Por agora, só me resta agradecer a 2016 pelos aprendizados.

Gratidão especial por este ter sido o ano onde iniciei a mudança da minha vida (e de tantas outras) através das minhas palavras escritas.

Só estamos começando...

E sempre estaremos!

Gratidão!

The following two tabs change content below.
Ana Luisa Almeida
Aprendiz da vida e da engenharia. Idealizadora do Projeto "O que aprendi na Engenharia". Jovem Ponte, Engenheira Química formada pela UFBA, atuando como Engenheira Trainee na Kordsa Brasil. Nascida para espalhar sorrisos e gratidão ao redor do mundo, com o Coração sempre no ritmo #GoGoGo.

Comments

comments

Gostou desse texto?

Se você quiser receber mais textos como esse, cadastre seu email abaixo! 

Nosso conteúdo é gratuito e feito com muito amor!

Pronto! A partir de agora você estará sempre conectado(a) com nosso conteúdo! Gratidão!